Provocação 1

Como será que você, escritor, vai desenvolver um conto que tenha como cenário o gramado próximo ao relógio de sol do parque da Cidade, que tenha como protagonista um turista alemão obsessivo e um azulejo pirata?

Dicas:

O Parque da Cidade é a maior área verde de laser de Brasília. Dispõe de quadras de esporte, pista para caminhadas, outra pista para ciclistas, parque de diversões, churrasqueiras, ambulantes registrados, muita gente e um relógio de sol.

Brasília é uma cidade que atrai muitos turistas. Entre eles está um alemão obsessivo. Tão obsessivo que faz questão de ser protagonista no seu conto.

Brasília surgiu do pó. As linhas suaves e poéticas viraram concreto . Athos Bulcão foi o artista plástico que revestiu as obras com painéis de incríveis combinações de efeito visual. “Onde?” Em todos os lugares: Teatro Nacional, Câmara dos Deputados, Itamaraty, fachadas de pilotis de prédios residenciais, Igrejinha, fachadas de escolas, aeroporto. Haja azulejo bonito, cada um individualmente também é uma obra de arte. De tão vistosos e valorizados, fabricantes inescrupulosos fabricaram peças piratas.

21 Contos Selecionados

  1. At(h)os que não voltam atrás (Assis Nóia)
  2. Doces bárbaros (Borboleta)
  3. Scheiße! (Carlo Couto)
  4. O mente de Deus (Cruz e Espada)
  5. Trigger (Eclipse Penumbral)
  6. A hora do encontro (Pantaneiro)
  7. Mistério da vida (Pontiac)
  8. O caçador de astronautas (Capitão Birobidjan)
  9. O azulejo capurro (Charles C.)
  10. Caça ao tesouro (Etienne Cachova)
  11. Azulejo mortal (Heliodora Ekonbeliongo)
  1. O mal da esperança é a desilusão (Ivan Martins)
  2. Tesouro dos Brasileiros (José M. Umbelino Filho)
  3. O branco (Rosa)
  4. O caso do azulejo pirata (Clara Lua)
  5. O homem que colava (Enrico)
  6. Malandrinha (K)
  7. A lenda do ex-alemão (Ladrão de São Thomé)
  8. Final feliz? (Sem pseudônimo)
  9. O Pó Alemão (Sitri)
  10. Um tipo singular (Tamires Nur)

Notas – Provocação 1

Estamos muito felizes com a aceitação ao desafio de escrever seis contos em seis semanas. Veja agora a lista de notas após provocação 1 clicando no botão abaixo.

Provocação 2

Ponha sua criatividade para trabalhar e construa um conto que contenha uma dondoca adúltera, a Praça dos Cristais e um crachá.

Parte da cidade de Brasília foi construída sobre veios de quartzo. Essa foi, muito provavelmente, a inspiração de Burle Marx para criar a Praça dos Cristais, com enormes prismas de concreto, no Setor Militar Urbano.

Todos conhecem alguma uma dondoca. É improvável que conheçam alguma mulher adúltera. Mas chegou a hora de inserir uma dondoca adúltera no conto.

Possuir um crachá de um órgão público é um objeto de desejo em Brasília e em qualquer outro município brasileiro. Nos dias de hoje ter um crachá significa ter trabalho.

Como estarão conectados uma dondoca adúltera, um crachá e a Praça dos Cristais?

Acreditamos no seu potencial.

Boa sorte!

Contos – Provocação 2

  1. Quase um dever cívico (Capitão Birobidjan)
  2. Janeiro, 2066 (Charles C.)
  3. Problemas no paraíso (Etienne Cachova)
  4. Encontro Surpreendente (Heliodora Ekonbeliongo)
  5. Encontro na Praça dos Cristais (Ivan Martins)
  6. O pecado do cristal (José M. Umbelino Filho)
  7. O Caso Cristais (Rosa)
  8. Maldito Crachá (Clara Lua)
  9. #pededireito (Enrico)
  10. Formigamento (K)
  11. A cachorra do general (Ladrão de São Thomé)
  1. Sobre fadas e doenças misteriosas (Sem pseudônimo)
  2. Aí vindes outra vez inquietas sombra (Sitri)
  3. Dona Benedita (Tamires Nur)
  4. Piquenique Noturno (Assis Nóia)
  5. A delícia e a desgraça (Borboleta)
  6. Capitu-lação (Carlo Couto)
  7. Os melhores dias da nossa vida (Cruz e Espada)
  8. Muitas Apreensões (Eclipse Penumbral)
  9. A vida imita a arte (Pantaneiro)
  10. Encontro marcado (Pontiac)

Notas – Provocação 2

Você está indo bem. A pressão é grande.  Veja agora a lista de notas após provocação 2 clicando no botão abaixo.

Provocação 3

Você está indo bem. A pressão é grande. Este será o texto da segunda decisão. Ficarão apenas os sete melhores classificados.

Capriche para se classificar entre os sete finalistas. Escreva um conto que tenha como cenário uma suíte de um apart hotel próximo ao Palácio da Alvorada, que o protagonista seja um homem com um sino tatuado e que o objeto-chave seja um santinho com a profecia de Dom Bosco.

Tudo pode acontecer entre quatro paredes de uma suíte de um apart hotel. Mais ainda se esse imóvel estiver localizado próximo ao Palácio da Alvorada, residência oficial do presidente do Brasil.

O sino, via de regra, tem algum significado. Será que simboliza perigo? Um sino tatuado pode tornar o tatuado em invencível na guerra contra o mal? Será que o protagonista almeja a harmonia universal, a comunicação entre o céu e a terra? Mas ouvir um sino em sonho é presságio infeliz. Seja qual for o motivo, nosso protagonista tatuou um sino.

Imagino que você tenha ficado curioso para conhecer a profecia de Dom Bosco sobre Brasília, impressa no santinho. Eu desdobrei o papelzinho e li: “Entre os paralelos de 15 e 20 havia uma depressão bastante larga e comprida, partindo de um ponto onde se formava um lago. Então, repetidamente, uma voz falou: “…quando vierem escavar as minas ocultas, no meio destes montes, surgirá aqui a terra prometida, vertendo leite e mel. Será uma riqueza inconcebível…”
Desafio lançado: seja criativo ao juntar os três elementos.

Você tem até o dia 22/05, segunda-feira para escrever um conto entre 200 e 1000 palavras.
Bora lá?

Contos – Provocação 3

  1. O enviado (Clara Lua)
  2. Paralelos (Enrico)
  3. Lugar de Santinho (K)
  4. O canto do Carcará (Ladrão de São Thomé)
  5. A quinta tentativa (Sem pseudônimo)
  6. Pedro e Paulo (Sitri)
  7. Um dia especial (Tamires Nur)
  8. O Badalo das Onze Horas (Assis Nóia)
  9. Sino: O Cãozinho (Borboleta)
  10. O milagre de Dom Bosco (Carlo Couto)
  11. Terra de Milk and Honey (Cruz e Espada)
  1. Fim dos tempos (Eclipse Penumbral)
  2. O detetive virtual (Pantaneiro)
  3. O incêndio (Pontiac)
  4. A hora do Angelus (Capitão Birobidjan)
  5. Paralelos vizinhos (Charles C.)
  6. O talismã (Etienne Cachova)
  7. A Força de um Nome (Heliodora Ekonbeliongo)
  8. À margem (Ivan Martins)
  9. La Campana (José M. Umbelino Filho)
  10. Todos os sinos (Rosa)

Notas – Provocação 3

Parabéns, vocês são vitoriosos! Veja agora a lista de notas após provocação 3 clicando no botão abaixo.

Provocação 4

E agora? Você está entre os sete classificados ou não?

Você vai escrever o seu conto na dúvida se estará classificado ou não. Se estiver, parabéns pela classificação e por ter escrito logo o seu 4.o conto. Se não se classificou, ganhou um conto para o seu repertório.

Para seu conto deste Desafio o cenário é a Rua das Noivas. O personagem, em vez de um, são dois: gêmeos. O objeto-chave é uma adaga. Cabe a você colocá-los os no liquidificador e extrair um conto vitorioso.

A Rua das Noivas, fica na Asa Norte, tem pouco mais de 200m de lojas que comercializam o sonho das noivas. Venda e aluguel de roupas, coiffeur, buffet, filmagem, utensílios domésticos, flores, decoração.

Gêmeos será apenas um signo? Serão dois meninos? Duas moças? Um homem uma mulher? Um nasceu durante o dia o outro de noite? São idênticos em tudo ou opostos em tudo? Cabe a você, escritor, responder em forma de conto.

A adaga é uma espada curta. Não é necessariamente objeto perfurante. Ela é como Brasília, repleta de poder e simbolismos.

Contos – Provocação 4

  1. Do Outro Lado do Mundo (Assis Nóia)
  2. Um novo princípio (Capitão Birobidjan)
  3. Vingança ou as passsarelas da Champs Élysées (Cruz e Espada)
  4. Vitrines (Enrico)
  5. Conto espelhado (José M. Umbelino Filho)
  6. Docinho (Ladrão de São Thomé)
  7. Uma grande e inconsistente bola de neve (Rosa)

Notas – Provocação 4

Mais uma etapa foi concluida, veja agora a lista de notas após provocação 4 clicando no botão abaixo.

Provocação 5

Este é o momento para melhorar a classificação no Desafio dos escritores. Quem não conhece uma estação de Metrô? A da estação de metrô da Rodoviária de Brasília é a mais movimentada. Lá tudo é subterrâneo, como a cigarra que hiberna anos para renascer barulhenta longe do metrô, mas dentro do seu conto como personagem. Como você vai resolver um conto adicionando ainda um convite sem nome para uma recepção de gala no Palácio do Itamaraty ?

Para encontrar o acesso ao Metrô na Rodoviária é preciso descer as escadas rolantes, pegar o rumo da Pastelaria Viçosa desviando da multidão, descer outra escada rolante, passar em frente ao “Na Hora” e caminhar mais um bocadinho até chegar às catracas.

A cigarra é quase um símbolo brasiliense. Não por causa da fábula. É que no auge da seca, lá no início de setembro, ela e todo um elenco de cigarras resolve cantar simultaneamente. O ruído é mais alto do que um liquidificador ligado a dez centímetros da sua orelha. Cantam alto porque desconhecem a dança do acasalamento.

O Itamaraty é o nome do Ministério das Relações Exteriores. Um enorme tapete vermelho é estendido para receber os chefes de estado quando em visita ao Brasil em missão oficial. Os convites para as noites da gala são disputadíssimas, mesmo que isso signifique alugar fraque e tirar joias do penhor.

A personagem é uma cigarra. Cuidado para não escrever uma fábula ou crônica.

Contos – Provocação 5

  1. O Canto da Cigarra (Assis Nóia)
  2. A maldição La Fontaine (Capitão Birobidjan)
  3. O estranho (Cruz e Espada)
  4. A Pequena Cici (Enrico)
  5. Incidente diplomático (José M. Umbelino Filho)
  6. O homem-cigarra (Ladrão de São Thomé)
  7. Cigarra (Rosa)

Notas – Provocação 5

Este final do Desafio está emocionante. Nada está definido. Todo mundo pode erguer um troféu! Veja agora a lista de notas após provocação 5 clicando no botão abaixo.

Provocação 6

É chegada a hora de definir o grande vencedor. As notas da quarta provocação mal saíram, os contos da quinta provocação mal foram entregues e já seguimos para a sexta e última provocação. A expectativa é grande para todos, escritores, jurados e leitores do site.

Estamos muito felizes com a criatividade dos concorrentes.

Os personagens já passearam no Parque da Cidade, na Praça dos Cristais. Deitaram num apart hotel. Atravessaram a faixa de pedestres da Rua das Noivas. Perderam-se na estação do metrô e… agora?

Será que serão capazes de pescar a minha provocação?

Será que adivinham a sexta provocação?

Será que terei de estabelecer a forma do conto para a sexta provocação?

Nada é à toa.

  • Em todos os lugares da cidade: postes, muros, fachadas, portões, há cartazes propagandeando a capacidade das cartomantes. Cartomante é o (a) personagem.
  • Uma das imagens famosas de Brasília é o Congresso Nacional, onde são produzidas as leis do país. Projeto de lei é o objeto-chave.

E o cenário?

Guardei o cenário mais improvável, Vila Amaury, para o final.

Muitos brasilienses desconhecem a Vila Amaury. Eu mesmo, nunca estive lá.

  • Quando alagaram as terras para fazer o lago Paranoá, a Vila Amaury, um acampamento de operários da construção de Brasília, foi alagada. Foi submersa. Vila Amaury é o cenário.

Dica — O escritor criativo não cairá na armadilha de inserir um projeto de lei para impedir as águas, tampouco uma cartomante que prevendo a inundação.

Com um pedacinho de nostalgia, sentindo o fim do Desafio do escritor – DF, desejo que a deusa da sabedoria repouse no seu conto.

Contos – Provocação 6

  1. Ruínas da Loucura (Assis Nóia)
  2. Arqueologia do esquecimento (Capitão Birobidjan)
  3. Salsichas (Cruz e Espada)
  4. Vida Candanga (Enrico)
  5. A noite do Paranoá (José M. Umbelino Filho)
  6. O último trabalho (Ladrão de São Thomé)
  7. Duraleques (Rosa)

Notas – Provocação 6

Estamos muito felizes com a criatividade dos concorrentes e veja agora o final surpreendente dos vencedores do Desafio dos Escritores DF, após a a lista de notas após provocação 6 clicando no botão abaixo.