Athos Bulcão

Escrito em 2014, para o Sarau Os Construtores de Brasília promovido pela Câmara dos Deputados com apoio do SESC e Sindilegis.

Nos idos de 1650 Alexandre Dumas convocou três mosqueteiros para engrandecer o reino francês. Os três mosqueteiros na verdade eram quatro: Athos, Portos, Aramis e D’Artagnan.

Da mesma forma, nos idos de 1960, Oscar Niemeyer convocou três grandes artistas para engrandecer a arquitetura de Brasília. Na verdade os três artistas eram quatro: Athos Bulcão, Burle Marx, Bruno Giorgi e Alfredo Ceschiatti.

O nosso mosqueteiro, Athos, em vez de espada (florim) resolvia a parada com um pincel criativo.

Num pequeno espaço, menor que qualquer tela, um azulejo de 15 por 15 cm, desenvolvia figuras geométricas assimétricas.

É lógico que todos os que estão aqui sabem o que é uma figura geométrica assimétrica, não é mesmo? Só aquele moço que está escondido ali atrás da cortina é que não sabe. Então vou explicar só para ele que figura geométrica é a bola, o quadrado, o triângulo e todos os familiares como os losangos, elipses e retângulos.

Todos da plateia sabiam disso não é mesmo? Aposto que todos também sabem o que é assimétrico, não é mesmo? Só o moço que continua escondido é que não lembra o que é assimétrico.

Pois é, só para ele que vou relembrar. E porque está escondido, falo alto.

Assimétrica é aquela figura que você pode girar e que em nenhuma posição repete a imagem anterior. (Fazer um desenho para o verso do papel da apresentação)
Agora que o moço já sabe o que é que uma figura geométrica assimétrica, posso continuar e dizer que o mestre Athos combinava o branco com apenas uma ou no máximo duas cores do arco-íris para pintar suas figuras geométricas assimétricas. Assim como esse papel que vocês estão vendo. O grande barato é que essas figuras podem ser giradas e continuam sendo geométricas e quando colocadas lado a lado de forma aleatória, num painel, produzem um efeito espetacular.

Parece que eu ouvi o moço de trás da cortina perguntar o que é aleatório. Como isso é difícil de explicar,

O Athos explicava para o pedreiro assim:

— Você começa a assentar pela fiada de baixo e aí faz de conta que está com raiva do mundo e faz tudo bagunçado. Vira um para cá o outro para lá, mas sempre mostrando que é profissional ao deixar tudo bem alinhado.

Roberto Klotz

Igrejinha Nossa Senhora de Fátima
Teatro Nacional Cláudio Santoro
Plenário Ulysses Guimarães - Câmara dos Deputados
Parque da Cidade - Paradas de Descanso