Envio – Provocação 6

Desafio dos Escritores DF

    • - Use o mesmo pseudônimo;
    • - Só analisaremos os contos dos 7 selecionados;
  • É chegada a hora de definir o grande vencedor. As notas da quarta provocação mal saíram, os contos da quinta provocação mal foram entregues e já seguimos para a sexta e última provocação. A expectativa é grande para todos, escritores, jurados e leitores do site. Estamos muito felizes com a criatividade dos concorrentes. Os personagens já passearam no Parque da Cidade, na Praça dos Cristais. Deitaram num apart hotel. Atravessaram a faixa de pedestres da Rua das Noivas. Perderam-se na estação do metrô e... agora? Será que serão capazes de pescar a minha provocação? Será que adivinham a sexta provocação? Será que terei de estabelecer a forma do conto para a sexta provocação? Nada é à toa.
    • Em todos os lugares da cidade: postes, muros, fachadas, portões, há cartazes propagandeando a capacidade das cartomantes. Cartomante é o (a) personagem.
    • Uma das imagens famosas de Brasília é o Congresso Nacional, onde são produzidas as leis do país. Projeto de lei é o objeto-chave.
    E o cenário? Guardei o cenário mais improvável, Vila Amaury, para o final. Muitos brasilienses desconhecem a Vila Amaury. Eu mesmo, nunca estive lá.
    • Quando alagaram as terras para fazer o lago Paranoá, a Vila Amaury, um acampamento de operários da construção de Brasília, foi alagada. Foi submersa. Vila Amaury é o cenário.
    Dica — O escritor criativo não cairá na armadilha de inserir um projeto de lei para impedir as águas, tampouco uma cartomante que prevendo a inundação. Com um pedacinho de nostalgia, sentindo o fim do Desafio do escritor - DF, desejo que a deusa da sabedoria repouse no seu conto.
 

Verificação